Depressão

O Que Acontece no Organismo de uma Pessoa com Depressão?

O Que Acontece no Organismo de uma Pessoa com Depressão?

Geralmente, quando falamos sobre depressão, há uma associação imediata com a imagem de uma pessoa triste, sentada no canto em um lugar escuro. Apesar da tristeza ser uma característica, existem vários sintomas que não são visíveis e afetam várias partes do corpo.

Essa condição afeta aproximadamente 10% da população mundial e, de acordo com as projeções, esse número só tende a aumentar. 

Por isso, é importante a abordagem desse assunto para que você entenda como essa patologia afeta o organismo de uma pessoa e quais tipos de distúrbios pode vir a causar.

O que é depressão e quais os seus sintomas?

É uma doença que afeta, principalmente, os neurotransmissores, promovendo o seu desequilíbrio químico. Os neurotransmissores são substâncias responsáveis por conduzir a comunicação dos neurônios com o corpo, inclusive as sensações de prazer, serenidade, disposição e bem-estar.

A serotonina, dopamina, noradrenalina e melatonina são exemplos de neurotransmissores. Quando eles são afetados, causam os sintomas mais comuns da doença, como por exemplo, tristeza, apatia, desmotivação, dificuldade de concentração, pessimismo, insegurança, melancolia, entre outros.

Como ela afeta o organismo?

A doença começa pelo desequilíbrio químico do cérebro. Quando o indivíduo depressivo passa por uma situação estressante ou angustiante, o cérebro entra em alerta. Nesse momento, ocorre uma troca de sinais químicos e impulsos nervosos para preparar o corpo para o que está por vir.

As glândulas supra-renais recebem o alerta e liberam adrenalina. Uma vez que isso acontece, o ritmo dos batimentos cardíacos aumenta e pulmão e coração precisam trabalhar mais para levar oxigênio ao corpo. Posteriormente, as células nervosas começam a liberar noradrenalina para tensionar os músculos e aguçar os sentidos.

Com isso, o sistema digestivo é afetado e pode ocorrer enjoo. Quando a situação estressante acaba, os níveis hormonais caem. Contudo, se houver uma constância dessas crises, as artérias podem ser danificadas, o sistema imunológico pode enfraquecer e pode ocorrer perda de massa óssea.

Um indivíduo que tenha o quadro depressivo também desenvolve sintomas que interferem na sua saúde física. Isso ocorre em razão das funções importantes que os neurotransmissores desenvolvem no organismo. 

Para você entender melhor, irei apresentar os principais distúrbios causados pela depressão.

Dificuldade de raciocínio

Ela atinge o hipocampo, a amígdala e o córtex pré-frontal. Essas três regiões do cérebro são responsáveis pelo processamento da memória, aprendizado, concentração e cognição. 

Alterações no humor

Os neurotransmissores são responsáveis por levar aos neurônios a sensação de humor. Quando há um desequilíbrio químico, a transmissão desses sentimentos não é feita corretamente. Além disso, existe uma conexão entre a doença e o aumento da produção de cortisol, conhecido como o hormônio do estresse.

Doenças autoimunes

A melancolia pode atrapalhar o funcionamento do sistema imunológico. Assim, as células de defesa se confundem e atacam os tecidos saudáveis do corpo.

Diabetes

O aumento da produção de cortisol afeta a ação da insulina no organismo, dificultando que ela desempenhe sua função.

Problemas digestivos

A serotonina e a noradrenalina são neurotransmissores responsáveis por controlar a dor e o equilíbrio emocional. Um paciente depressivo está mais sensível a dor. São sintomas muito comuns para esses pacientes a dor abdominal, síndrome do intestino irritável e flatulência.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Foz do Iguaçu!

Posted by Dra. Simone Radecki in Depressão, Todos
Falta de concentração: diagnóstico e tratamento

Falta de concentração: diagnóstico e tratamento

A falta de concentração é um problema muito comum, que pode causar muitos prejuízos para a pessoa e ainda estar associada a diversas patologias.

O cérebro humano recebe uma quantidade gigantesca de dados diários: para se ter uma ideia, pesquisadores acreditam que seja cerca de 40 bits de informação a cada segundo. No entanto, ele consegue processar apenas de 2 bilhões de informações por dia, ou seja, é preciso filtrar e bloquear parte desses dados recebidos. Quando uma pessoa tem dificuldade de inibir essas distrações, não sabendo focar no que é necessário naquele momento, pode significar que ela tenha algum distúrbio que atrapalhe a atenção.

Há várias causas associadas com a dificuldade de prestar atenção, mas há alguns transtornos que estão diretamente ligados a essa característica. Continue a leitura e conheça alguns deles.

Transtorno do deficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

O TDAH é um transtorno de causas genéticas e que acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Dentre os sintomas, estão a dificuldade de se concentrar, a inquietude e a impulsividade.

O diagnóstico para o TDAH deve ser realizado por um médico, mas a confirmação do distúrbio não é feita de imediato, pois é preciso que o psiquiatra analise criteriosamente o paciente. Para isso, além de anamnese, são aplicados diversos questionários de avaliação de sintomas e dos prejuízos que esses sintomas causam. Só então é possível chegar a uma conclusão.

Em casos de crianças, o tratamento é multidisciplinar, podendo envolver profissionais da saúde e pedagogia. O transtorno pode ser controlado também com medicamentos e terapia cognitivo-comportamental.

Ansiedade

A dificuldade de se concentrar — assim como irritabilidade, fadiga, inquietação, tensão muscular e perturbação do sono — é um dos sintomas da ansiedade.

O diagnóstico é feito por um psiquiatra, já que os sintomas podem ser associados a outros transtornos. Para tratar a ansiedade, é necessário terapia e o uso de medicamentos.

Depressão

É muito comum as pessoas associarem a depressão apenas à tristeza e à falta de ânimo, mas essa doença tem diversos outros sintomas, como cansaço, dores de cabeça alterações intestinais e também a falta de concentração.Por ser um transtorno que gera diversos prejuízos mentais, físicos e emocionais, a depressão precisa ser diagnosticada por um médico.

O tratamento é de responsabilidade de um psiquiatra, que, além de medicamentos e psicoterapia, pode receitar uma mudança no estilo de vida, incentivando a prática de atividades físicas e recreativas, por exemplo.

Síndrome de Burnout

A Síndrome de Burnout é causada pelo esgotamento físico e mental e está relacionada, geralmente, a problemas com o trabalho. Entre os sintomas, estão a dificuldade de concentração, os esquecimentos, a falta de atenção, a irritabilidade e a fadiga.

O tratamento consiste na associação de psicoterapia e do uso de medicamentos.

É normal que todos tenham episódios de falta de concentração ao longo da vida, por isso é importante perceber não só a frequência da distração, como também o aparecimento de outros sintomas: preocupação excessiva, cansaço, baixa autoestima e uso de substâncias químicas podem estar relacionadas com diversos transtornos.

Assim, o diagnóstico médico é importante justamente para ajudar a identificar a causa e indicar o tratamento específico para o que está provocando a falta de concentração.

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Foz do Iguaçu!

Posted by Dra. Simone Radecki in Ansiedade, Depressão, TDAH, Todos